Follow by Email

QUEM SOMOS

ONG voltada ao estudo, pesquisa, divulgação da bioética como uma ética da vida aplicada a todos os campos com uma visão multidisciplinar. Defendemos a biodiversidade, meio-ambiente, desenvolvimento sustentável, as diversidades culturais e sociais, objetivando integrar tudo num pensamento genuinamente latino-americano e buscando soluções.

MISSÃO

MISSÃO

A promoção de atividades de documentação, informação, pesquisa, ensino - aprendizagem, conselhos e desenvolvimento institucional do biológico, cultural e social, de forma coordenada e cooperativa através de projetos de parceria nessas áreas no Brasil e América, e promover a cooperação internacional para esses fins com outras regiões culturais tudo dentro de uma visão transdisciplinar.

domingo, 3 de agosto de 2014

GRUPO MOVIMENTOS SOCIAIS
(01 de agosto de 2014)

Ao 1º dia do mês de Agosto de 2014, sob a Coordenação da Sra. Salete Valesan Camba, Mediação da Sra. Maria Liege Rocha e Relatoria do Sr. Leonardo Gomes Fernandes, encontram-se reunidos membros de variados grupos sociais, cujo objetivo é a criação e apresentação de requerimentos para apresentação no Comitê Nacional para a COP20 a realizar-se na cidade de Lima – Peru, em dezembro de 2014.
Iniciados os trabalhos com a apresentação dos presentes indicando qual o grupo social que representam, foram os seguintes identificados: Sindicato dos Artesão do RS; Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis; Associação Escoteira Baden-Powell; CONTAG e CIB; Economia Solidária do Uruguay; Prodiversitas Argentina; Biolabore e Rede Ecovida de Agroecologia; Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor de Marechal Cândido Rondon; Associação Central de Produtores Ecológicos de Marechal Cândido Rondon; APROSMI; MOVIECO; Itaipu Binacional; Pastoral da Criança de Curitiba; União Brasileira de Mulheres; Marcha Mundial das Mulheres; GRANLAGO; Sindicato dos Artesãos, Economia Solidária e Unidade de Saúde; FAES Manaus; Dikota Djanganga Keumzamby; Comunidade Quilombola Apepu; UNEGRO do RJ; Reciclei Recicleo de Cascavel; Projeto Cultivando Água Boa; Paseo Artesanos; Asociacion Nacional de Artezanos Del Paraguay (ANAPAR); Red Peruana de Comercio Justo e Consumo Etico; Mesa de Coordinacion Latinoamericana de Comercio Justo.
Foi proposta, como metodologia para dinâmica de grupo três rodadas de discussões, sendo: 1ª) a) O que determinado grupo conhece sobre mudanças climáticas; b) O que o grupo acredita que pode fazer a respeito; 2ª) a) Como sua entidade pode influenciar? b) Como sua entidade pode contribuir na solução do problema; 3ª) Como se pode/deve atuar: a) Antes da COP20; b) Durante a COP20 e c) Após a COP20.
Dando continuidade, foram criados macrogrupos designados da seguinte forma: I – ECOSOL (Economia Solidária); II – Mulheres; III – POVOS TRADICIONAIS (Movimento Negro, Indígenas, Ciganos, Quilombolas, Religiões de Matriz Africana); IV – Juventude; V – Agricultura Familiar e sustentável e VI – Catadores.
Após discussão grupal, foram elencados os seguintes tópicos, que, neste momento, se apresentam como objetivos e requerimentos do GRUPO MOVIMENTOS SOCIAIS:
1)    Realizar a Educação ambiental de forma transversal é questão fundamental;
2)    Propiciar mudanças no modo de produção, garantindo a reciclagem popular por meio da economia solidária e trabalho associado;
3)    Proibir os processos industriais de reaproveitamento energético que poluem e exterminam o meio ambiente, garantindo processos de lixo zero, tornando as cidades sustentáveis;
4)    Trabalhar a educação ambiental com os quilombolas, aldeias indígenas e casas de matrizes africanas agregando a comunidade e população em geral para formação e massificação da informação;
5)    Possibilitar que o modelo do Projeto Cultivando Água Boa possa ser replicado em outras localidades;
6)    Elaborar políticas públicas para proteção dos povos para permanência nas suas terras e a elaboração de leis mais severas para inibição do tráfico de produtos tóxicos;
7)    Implantar políticas e promover a agropecuária ecológica nos diferentes países no prazo de 05 anos;
8)    Desenvolver tecnologias para minimizar a dependência da agricultura dos pacotes agroquímicos contaminantes;
9)    Estimular tecnologias para desenvolver e ampliar a produção agroecológica;
10)           Elaborar um documento sobre de economia social solidária para apresentação na COP20;
11)           Criar condições reais de participação dos grupos de Economia Solidária em eventos oficiais nos países da América Latina, encontrando solução para o rigor nas aduanas de forma a possibilitar o transporte dos produtos artesanais desses grupos; 
12)           Indicar um Observador por país para acompanhar a economia social solidária na COP20, cujo cargo seja de renovação periódica;
13)           Tomar decisões acerca de mudanças climáticas de caráter não paliativo;
14)           Exigir a respeitabilidade da Dignidade da Pessoa Humana no sentido de garantir uma sociedade justa, igualitária e solidária;
15)           Utilizar energias alternativas com análise para redução do alto custo tecnológica para sua efetiva implantação;
16)           Criar núcleos de capacitação da juventude que promovam o empoderamento do mesmo e tornem efetiva tal participação em fóruns de discussão no sentido de influenciar na tomada de decisões;
            Seja proposto aos representantes um pacto pelo clima desenvolvendo a noção de que a mudança deva começar em casa e que a destinação dos recursos deve privilegiar práticas saudáveis.